Minicurso Pentecostalismo

Para fazer sua inscrição em cada um dos cursos:

1- Você deve clicar no botão FAÇA SUA INSCRIÇÃO no fim desse texto.

2- Uma nova aba será aberta com um formulário que deverá ser preenchido.

3- Preencha o formulário e clique em Confirmar.

4- Será exibida uma confirmação da inscrição e disponibilizado o link do grupo no Whatsapp.

5- Os links das aulas e outros materiais serão compartilhados nesse grupo.

Investimento

R$ 0,00 a vista

*Incluso: Material didático e coffee break

Carga Horária

6 horas

*4 encontros de 1h30

Certificado

em cada encontro

*4 certificados

Maxwell Fajardo<br /><h6>Professor Doutor

Maxwell Fajardo

Professor Doutor

Apresentação Franscikley Vito

05/08 às 20h - Primeiro Encontro

A expansão e diversificação do pentecostalismo nas cidades a partir dos anos 40

Neste encontro, analisaremos o processo de expansão do pentecostalismo no Brasil a partir da década de 1940, com especial atenção para o crescimento das diferentes denominações no tecido urbano das cidades em processo de industrialização. Analisaremos o modo como tais igrejas se fortaleceram institucionalmente e como contribuíram para a multiplicidade de formas assumidas pelo movimento pentecostal nas cidades a partir de então.

Rafael Gama<br /><h6>Professor Doutor

Rafael Gama

Professor Doutor

Apresentação Douglas Fidalgo

12/08 às 20h - Segundo Encontro

Do Norte ao Sul: As origens do pentecostalismo no Brasil (1910-1930)

Neste encontro, analisaremos o movimento pentecostal em seu início. Sua chegada no Brasil nas regiões Norte e Sul do país, a expansão e consolidação do pentecostalismo como movimento religioso nas décadas posteriores a sua chegada, retratando também a conjuntura histórica do país e como o pentecostalismo dialogou com a realidade de seu próprio tempo.

Lucas Medrado<br /><h6>Professor Doutorando

Lucas Medrado

Professor Doutorando

Apresentação Franscikley Vito

19/08 às 20h - Terceiro Encontro

As dissidências entre as teologias das periferias e as teologias dos centros

O extraordinário crescimento do pentecostalismo no Brasil, por volta do século passado, está mergulhado em uma transversalidade de temas que nos impõem uma reflexão fundamentada em princípios interdisciplinares. É a partir dessa perspectiva interdisciplinar que esta “aula” está amparada. Nosso desafio inicial é compreendermos as distinções e peculiaridades entre os discursos-pregativos das igrejas de periferias e das igrejas sedes localizadas em regiões centrais. Pretendemos analisar como os discursos estão atravessados por significações ideológicas atreladas à realidade contextual dos grupos locais. Evidentemente, a pregação será “lida” a partir da perspectiva bakhtiniana (Análise Dialógica do Discurso – ADD), e para refletimos as interações entre oradores-ouvintes, tomaremos não só as contribuições de Bakhtin, como também de seu Círculo (Volóchinov) para lermos o gênero discursivo (pregação) como enunciado concreto e atravessado por significações dos contextos reais dos oradores-ouvintes. Por fim, levantaremos questões referentes às rupturas “discursivas” que as igrejas menores (microesferas), conscientes ou inconscientemente preconizam em seus espaços comunitários. Assim, caminharemos para a ideia central da aula, a saber: a afirmação de que, as igrejas menores, mesmo ligadas às suas sedes de origem, produzem discursos próprios e distintos das congregações “mães”.
Viviane Costa<br /><h6>Professora Mestra

Viviane Costa

Professora Mestra

Apresentação Douglas Fidalgo

26/08 às 20h - Quarto Encontro

Pentecostalismo e periferia: ambiguidades e atravessamentos

O crescimento do pentecostalismo no Brasil se deu especialmente em grandes centros urbanos e suas margens. No estado do Rio de Janeiro, as periferias vivem uma transição de hegemonia e cultura religiosa desde o fim do século passado. Um catolicismo sincrético com a umbanda que estruturava as culturas locais e as práticas religiosas perdem espaço para um novo pentecostalismo potente e atravessado pelo ethos de guerra local e suas dinâmicas. Pensaremos de que forma esses aspectos se retroalimentam a partir de fronteiras relativizadas e uma hermenêutica contextual que estruturam (e são estruturados) novos modos de crer e ser – evangélico.